A chave da suprema lucidez

No vídeo abaixo podes ver-me a dizer o poema, apreciar o movimento das letras do mote para formar novas palavras e ler a “simbiose” com calma. Aqui, o som da leitura, para guardar ou oferecer.

O suporte musical do vídeo é um excerto do “Noturno Nº 2”,  de A. Borodin

Pergunta (de um leitor imaginário) sobre este poema

Importas-te de explicar melhor a última linha do poema?

Fazendo o que está descrito nas outras linhas, acabamos por desunir o que devia estar unido. Quem bebe por uma “chávena” sem “pega”, acaba por ficar com os dedos queimados!
No entanto, ainda temos isto.