Como se escreve no formato simbiose

Uma Simbiose parte sempre de um mote. Partes das suas palavras  são usadas para gerar outra palavra, que é sempre o início de uma das linhas do poema. O vídeo abaixo serve de  exemplo do mote “A capacidade de repartir”:

Portanto:

A primeira sílaba da palavra capacidade foi “retirada” para formar “Cabemos, início da primeira linha.

A segunda sílaba (pa) foi usada para formar o termo “Parece-nos,
início da segunda linha.

A quarta sílaba (da) foi aplicada na formação do termo “Dar,
início da terceira linha.

As restantes sílabas da palavra capacidade (ci e de), por não terem sido usadas, ficam arrumadas à esquerda e não participam na leitura do poema.

O mesmo processo ocorre com as restantes palavras do mote.

Que termos escolherias começados por Ca…,  Pa…, Da…, etc.?
Aqui tens uma grande ajuda.

Acerca do mote, resta dizer que ele pode ser:

Congeminado por este método bastante divertido.
Da autoria do próprio poeta simbiótico.
Uma frase de uma pessoa famosa.
Um verso de outro poeta.

Enfim, a escolha é tua.

Isto é o que há a dizer sobre a parte formal do poema. Porém, o essencial  é o conteúdo. É nele que se aprecia a inspiração (e se imagina a transpiração) do poeta simbiótico.

Só falta dizer o seguinte: quando a tua Musa se fartar do formato “simbiose”, propõe-lhe o formato “Esoibmis“.

 Em caso de dúvidas persistentes…

Muito obrigado
Vitorino de Sousa