Motes Alheios

.

As Simbioses apresentadas nesta página estão distribuídas por vários grupos, consoante a sua natureza. As imagens, a montagem e a sonorização dos vídeos são da minha responsabilidade. Ao teu dispor, estão as gravações dos poemas. Se quiseres, podes guardá-las; se achares bem, podes oferecê-las. Muito obrigado.

As atualizações mais recentes estão assinaladas com (*)

 


 

Na primeira pessoa do singular (eu sou…)
Ai flores, ai flores do verde pino  (de D. Dinis)

Na segunda pessoa do singular (tu és…)
Alma minha gentil, que te partiste (de Luís de Camões)
Erros meus, má fortuna, amor ardente (de Luís de Camões)
Peçam e ser-vos-á dado
Sejam firmes, mas doces!
Sobe ao promontório do supremo silêncio interior (*)

Na primeira pessoa do plural (nós somos…)
Amai os outros como a vós mesmos

Reflexões genéricas
A Palavra é a raiz da Criação
Amor é um fogo que arde sem se ver (de Luís de Camões)
Sentir? Sinta quem lê (de Fernando Pessoa)