Motes Alheios

As Simbioses apresentadas nesta página estão distribuídas por vários grupos, consoante a sua natureza. As imagens, a montagem e a sonorização dos vídeos, são da minha responsabilidade. Em cada página está disponível a gravação do respectivo poema, que podes guardar e/ou oferecer.

Esta página está em remodelação.
As  ilustrações vídeo sem o movimento das letras do mote estão nesta cor.
Nas assinaladas com (*) – as mais recentes – eu estou lá a ler o poema.

A MINHA SUGESTÃO PARA TI

Sentir? Sinta quem lê  (de Fernando Pessoa)
(do conjunto ‘Convivendo com poetas e escritores’)



Convivendo com poetas e escritores
♦ – Eu quero amar, amar perdidamente! (Florbela Espanca) (*)
♦ – A solidão é uma forma tímida de tristeza (Maria João Lopo de Carvalho)
♦ – Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades (Luís de Camões)

♦ – Erros meus, má fortuna, amor ardente (Luís de Camões)
– Amor é um fogo que arde sem se ver (Luís de Camões)
♦ – Alma minha gentil, que te partiste (Luís de Camões)
♦ – Ai flores, ai flores do verde pino  (D. Dinis)


Conversas contigo
♦ – Muitos são os chamados, poucos são os escolhidos  (*)


Convites difíceis de aceitar
♦ – Amai os outros como a vós mesmos
♦ – Sobe ao promontório do supremo silêncio interior 
– Sejam firmes, mas doces


As coisas são mesmo assim (embora pudessem ser diferentes)
♦ – Peçam e ser-vos-á dado
♦ – Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida

♦ – A Palavra é a raiz da Criação


Uma ajuda, por favor.
♦ – Tu és o sal da Terra