Motes do Autor

.

As Simbioses apresentadas nesta página estão distribuídas por vários grupos, consoante a sua natureza. As imagens, a montagem e a sonorização dos vídeos são da minha responsabilidade. Ao teu dispor, em cada página, estão as gravações dos poemas. Se quiseres, podes guardá-las; se achares bem, podes oferecê-las.
Muito obrigado.

As atualizações mais recentes estão assinaladas com (*)

 


 

♦ ♦ ♦ ♦ ♦

Na primeira pessoa do singular (eu sou…)

— Autobiografias breves —
 A arte de um ser português (*)
Um Conhecimento para a humanidade 
O arquétipo da energia masculina
A grande Consciência Primordial 
O Mensageiro do Amor
A pureza das crianças
A herança Genética

 

♦ ♦ ♦ ♦

Na segunda pessoa do singular (tu és…)

— Para ti, Mulher —
Se te expressas com muito açúcar, dissipas a firmeza
Se fazes birra, do Mago Rei não receberás mirra
A matriz dos humanos (e dos não humanos)
Ingénuas, logo muito despassaradas
As peganhentas, cínicas e maldosas
Cântico das belas bruxas sadias
A pureza de toda a criação
Os velhos impedimentos


— 
Para ti, Homem —
Quando a faísca se apaga começa a sonhar com a chama
Reprimir o que é brilhante, mata o que é emocionante

A compaixão é o fruto inevitável da lucidez adquirida
Os domínios da cegueira
Os registos estelares


— Com ironia —
A metamorfose essencial
Um convite à renovação
A lucidez necessária
A rendição total
A base material


— I
ndelicados —
Se queres encantamento, senta a Paz no trono do pensamento
viverás a paz eternamente quando viveres desprendidamente
Sai do teu pedestal para beberes o que está dentro do Graal
Quando o coração se cala, a vida toda reclama

 

♦ ♦ ♦

Na primeira pessoa do plural (nós somos…)
Vivendo essa crença, entre ti e a escuridão não há diferença
Os que abrem as velas ao sopro dos anjos
A Fonte Branca do pensamento
A chave da suprema lucidez
A alta origem da existência
A capacidade de repartir
O som criativo original
A herança genética
A intuição pura

♦ 

Reflexões genéricas
Lamento sussurrado das velhas almas armadilhadas
O feroz fogo lavra e o triste lavrador fenece
De ti vem a luz que me solta as crinas
O equilíbrio do Feminino/Masculino
A renovação do que está velho
A alquimia necessária
A vitalidade essencial