O Mensageiro do Amor

Um poema/simbiose parte sempre de um mote, que é o seu título. Partes das palavras desse mote são usadas para gerar a primeira palavra de cada uma das linhas do poema. As “sobras” ficam arrumadas à esquerda e não fazem parte da leitura:

Versão desformatada para quem acha o formato ‘simbiose’ muito complicado:

O meu peito está bem encostado ao Dele. E Ele nunca se debateu! Sabes, este Avatar não é o do filme, passado no planeta Pandora. Este, está sempre à minha volta, para que eu não me sinta réu dos erros e dos enganos que a minha mente enevoada cometeu. Amor é o que Ele me dá, sempre que o breu me ferra a espora!

A minha leitura deste poema/simbiose, para guardar e/ou oferecer

Retroceder   ↔   Sugestão de leitura complementar