Os entraves súbditos

Uma Simbiose parte sempre de um mote. Partes das palavras desse mote são usadas para gerar outra palavra, que inicia uma das linhas do poema. O vídeo abaixo apresenta esse movimento das letras e, também, a minha leitura desta Simbiose… que podes guardar e oferecer.

Perguntas (de uma leitora imaginária) sobre este poema

1) “Os entraves súbditos’… Súbditos de quem?

Os entraves, que nos tramam a vida, são súbditos daquela coisa que anda de noite e agente não vê!

2) Porque é que dedicaste este poema aos Homens?

Porque me lembrei do poema “Todos os homens são maricas quando estão com gripe”, de António Lobo Antunes, que o Vitorino Salomé musicou.
Seja como for, convinha que lesses mais isto… sem te ofenderes