Se te expressas com muito açúcar, destróis a firmeza

Um poema/simbiose parte sempre de um mote, que é o seu título. Partes das palavras desse mote são usadas para gerar a primeira palavra de cada uma das linhas do poema. As “sobras” ficam arrumadas à esquerda e não fazem parte da leitura:

Versão desformatada para quem acha o formato ‘simbiose’ muito complicado:

Se fores só boazinha, como a doçura de São Francisco, prendes o Fogo que gera impulso, firmeza e afirmação. Muito perderás, como a minhoca perde quando é isco. Arma o músculo! Abre a cortina e tira os olhos do chão. Desperta! Pinga limão e ergue a cabeça caída prò lado. Troca a mão pasmada pelos dedos vivos que nela estão. Firma-te bem e berra, para atiçar o teu Marte atrofiado! Zangado, eu? Não!… Detesto ver-te nesse estado!

 

A minha leitura deste poema/simbiose, que podes guardar e/ou oferecer

 Linha Telefónica de Informação às Vítimas de Violência Doméstica

Retroceder   ↔   Sugestão de leitura complementar