A solidão é uma forma tímida de tristeza

Mote deste poema/simbiose foi retirado da pág. 251 do livro “Até que o amor me mate – As mulheres de Camões” de Maria João Lopo de Carvalho.

Um poema/simbiose parte sempre de um mote, que é o seu título. Partes das palavras desse mote são usadas para gerar a primeira palavra de cada uma das linhas do poema. As “sobras” ficam arrumadas à esquerda e não fazem parte da leitura:

Versão desformatada para quem acha o formato ‘simbiose’ muito complicado:

A sós comigo, quando de mim me sinto apartado, lido com a Vida como se com falta de Vida vivesse. É um sentir dolente, receoso, que, pondo-me calado, força-me a ir ao espelho, o que muito me entristece. Timidamente lhe pergunto se estou com falta de mim. Tristemente ele me responde que tenho d’ir até ao fim. Algo, então, me aquece.

A minha leitura deste poema/simbiose, que podes guardar e/ou oferecer

 

Retroceder   ↔   Sugestão de leitura complementar