Comigo me desavim

O mote deste poema/simbiose é o primeiro verso do poema
‘Comigo me desavim’, de Sá de Miranda.

Um poema/simbiose parte sempre de um mote, que é o seu título. Partes das palavras desse mote são usadas para gerar a primeira palavra de cada uma das linhas do poema. As “sobras” ficam arrumadas à esquerda e não fazem parte da leitura:

Versão desformatada para quem acha o formato ‘simbiose’ muito complicado:

Coabitar comigo não tem sido nada fácil, porque gosto de me pensar. Melhor podia estar se me juntasse à Musa Menina, que me domaria. Goste ou não, pouco me importa, embora pense que devia importar. Menos Mente Morta (que o génio corta) e entre Deuses Vivos viveria. Desde sempre me penso assim. Mas por que será que assim me penso? Vivo assim comigo. E por estar bem vivo assim, já não me dispenso. Madurando, venço.

A minha leitura deste poema/simbiose, para guardar e/ou oferecer

Retroceder   ↔   Sugestão de leitura complementar

O poema de Sá de Miranda