Esoibmis

Se consideras difícil escrever poesia no formato “simbiose”, proponho-te uma alternativa ainda mais difícil (mas divertida e algo alucinada), que te permitirá recuperar os poemas, antigos e recentes, que dormem na gaveta, cheios de pó. Refiro-me a…

Pois!… O formato “simbiose” ao contrário!

Explicando:

Em vez de partires de um mote, partes do poema já escrito! Depois, escolhes as primeiras duas ou três letras da primeira palavra de cada linha e compões algo que, quando lido, soa ao idioma dos meus familiares arcturianos!

Aqui tens o que escrevi outro dia, quando reparei que muito boa gente começou a dizer que eu estava a dar sinais de demência.

Na língua dos Arcturianos, o mote “Amit rimp oi agr mefa” quer dizer:
Qualquer dia a gente aparece.

Aqui tens um  Poema/Esoibmis, que o meu irmão Kin Kúncius (Quincúncio),
me enviou por email cósmico:

 O mote deste poema “Esn Vacald Orsee” significa língua dos Arcturianos:
A Pasmaceira Lusitana

Pronto.
Agora, entretém-te!