Motes Alheios

Poemas  com motes retirados de trabalhos
de vários poetas, escritores e pensadores

 

Todas as imagens utilizadas na montagem dos vídeos, que ilustram os trabalhos desta página,
são da minha responsabilidade.

Ary dos Santos
Nem um poema, nem um verso, nem um canto
Fecham-se os dedos donde corre a esperança

Fernando Pessoa
Quando escrevo, visito-me solenemente
Sentir?… Sinta quem lê!

Florbela Espanca
Eu quero amar, amar perdidamente

Gandhi
A pobreza é a pior forma de violência

José Afonso
Penitência diz a hidra quando há seca
No céu cinzento sob o astro mudo
O que faz falta é avisar a malta

Luís de Camões
Alma minha gentil, que te partiste
Amor é um fogo que arde sem se ver
Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades
Erros meus, má fortuna, amor ardente

Miguel Galante
Sobe ao promontório do supremo silêncio interior

Natália Correia
Fiz com as fadas uma aliança

Sá de Miranda
Comigo me desavim


Como se escreve poesia no formato “simbiose”?